25 de setembro de 2008

A cachaça, essa eterna incompreendida

- Caipirinha? Não, está muito cedo para beber cachaça. Me vê uma caipivodka!

Se eu ganhasse uma caipirinha para cada vez que já ouvi uma frase parecida com essa, seria um homem feliz. Existe em nosso país, de maneira geral, um certo preconceito contra a cachaça. Não é apenas uma questão social, de vincular a cachaça ao pinguço do bar da esquina ou ao capiau da roça -há também um preconceito químico contra a pobre bebida, que faz com que as pessoas tenham a impressão de que ela é mais forte ou mais prejudicial ao cérebro do que a vodka ou outros destilados.

Uma coisa é certa: existe muita cachaça de má qualidade por aí. Provavelmente é a bebida que tem mais marcas picaretas no mercado brasileiro, seguida de longe pela vodka. E provavelmente o que acontece é que as pessoas costumam pedir caipirinha sem perguntar antes qual é a marca da cachaça. Os bares e restaurantes, em sua eterna busca pelo lucro máximo, costumam fazer caipirinha com a cachaça mais barata em que puderem pôr as mãos, e quem paga a conta é o estômago do pobre cliente.

Isso é outra lenda muito errada no nosso Brasil: muita gente gosta de dizer, repetindo sem pensar, que "caipirinha se faz é com cachaça ruim", como se a cachaça boa fosse tão rara que só devesse ser bebida pura. Muita gente aplica esse mesmo raciocínio a outras bebidas também, e se recusa a fazer misturas com vodkas importadas, por exemplo. Sempre me xingam nos bares porque bebo Jack Daniel's com Coca-Cola! Mas que excesso de humildade é esse que impede que nós, brasileiros, bebamos destilados de boa qualidade em nossas misturas, e nos obriga a só fazer caipirinha com cachaça vagabunda? Será que nossos pobres organismos não merecem um tratamento melhor?

Claro que você não precisa desperdiçar uma dose de Anísio Santiago para fazer uma caipirinha, mas daí a beber monstruosidades engarrafadas como Seleta, Pirassununga 51 (ou pior ainda - 21), Vila Velha e outros venenos, é um caminho comprido demais. Por que não fazer caipirinha com uma boa cachaça de pequena produção, que não seja totalmente artesanal (o que costuma encarecer o produto) mas que também não seja o produto de uma mega indústria que produz milhões de litros de pinga por ano?

O maior problema das cachaças industrializadas é que elas são fabricadas em equipamentos de metal, e não passam pelo processo tradicional de envelhecimento em tonel de madeira. A cachaça, assim como outros destilados, ganha muito em sabor e qualidade quando é envelhecida em tonel de madeira, e os especialistas na bebida (estou longe de ser um deles, sou apenas um mero apreciador de caipirinhas!) escolhem a marca que vão beber pela madeira e pelo tempo que a cachaça foi envelhecida.

Dá para reconhecer uma boa cachaça só de olhar para ela e sentir seu cheiro. A cachaça envelhecida, assim como outros destilados, é amarelada, e não transparente. Quando é servida no copo, faz pouca ou nenhuma espuma, e é encorpada. A cachaça de má qualidade é muito líquida e volátil - uma bebida "mole", transparente como água, e que costuma fazer uma espuminha em volta do copo. Basta servir um copo de 51 ao lado de um copo de Vale Verde e a diferença aparece na hora. Uma boa cafungada no copo também ajuda na escolha.

Acredito que a cachaça Vale Verde seja a melhor relação custo-benefício do mercado atual de cachaças. As caipirinhas feitas com ela descem macias, e dá para bebê-la até mesmo pura. Aqui perto de Belo Horizonte você pode visitar a fábrica dela, e até mesmo fazer a sua festa de casamento lá! Recentemente ela foi eleita pela Playboy como a melhor cachaça do Brasil - provavelmente porque eles levaram em conta não apenas o sabor mas também o preço.

Infelizmente a Vale Verde não é muito conhecida fora de Belo Horizonte, então se você está lendo este artigo em outra região, a melhor recomendação que eu posso fazer é que você procure a cearense Ypióca Ouro. É a melhor cachaça industrializada do Brasil - apesar de ser feita em uma grande fábrica, ela passa pelo processo de envelhecimento na madeira, e tem um sabor bem mais agradável do que de qualquer outra concorrente nessa faixa de mercado, inclusive da própria Ypióca Prata. Ao contrário de suas concorrentes mais toscas, ambas as modalidades de Ypióca são envelhecidas em tonel de madeira durante dois anos - a Prata em tonel de bálsamo, e a Ouro em tonel de freijó. É fácil reconhecer a danada no supermercado: é aquela cuja garrafa é coberta com uma palhinha trançada e no rótulo tem um tiozão barbudo de gola rolê.

Se você estiver a fim de investir uma boa grana e ter uma agradabilíssima surpresa, pode desenbolsar uns R$ 262,99 e comprar uma garrafa de 600ml de Anísio Santiago, a melhor cachaça do mundo. É um ótimo presente para humilhar gringos que chamam cachaça de "brazilian rum". Eu já bebi dela uma vez, e posso garantir que nunca experimente nada igual. Parece cachaça misturada com mel - só que não tem mel.

Existe ainda uma tal de Sagatiba Preciosa que custa quase R$ 500,00 mas, francamente, um bom mineiro como eu se recusa a dar 1 centavo que seja para a fábrica da Sagatiba. Quem já bebeu um gole da Sagatiba normal sabe muito bem que aquilo é qualquer outra coisa que não cachaça.

E nunca se esqueça: fique longe da Seleta! Aquilo é o xixi do capeta!

5 comentários:

  1. Uma cachaça que eu recomendo, que passa por um processo relativamente artesanal, barata em Salvador (uma garrafa sai por uns 15 reais no máximo) são as cachaças da região de Abaíra, na Bahia, considerada a capital mundial da cachaça, hehe

    ResponderExcluir
  2. Também tem uma cachaça muito boa fabricada apenas no Piaui que se chama Mangueira, é escura como mel e o sabor também é adocidado. Moro no Ceará e já "provei" de muita cachaça boa inclusive a Anísio e essa Mangueira com certeza é uma boa opção.

    Abraço!
    Sávio

    ResponderExcluir
  3. Cara a Recomendo tambem a Mangueira e trato com desdém a Sagatiba que pra mim nao passa de alccol de cereais misturado com aguae engarrafado numa garrafa bonitinha que mais parece de Vodka, mas sem igual à Ypioca Ouro citada no post, essa sim é um original produto brasileiro de exportação e qualidade mundial...

    ResponderExcluir
  4. A questão da cachaça boa não é para caipirinha surgiu exatamente no comércio (bares) para justificar o uso de bebida mais barata no preparo. E o pior que o brasileiro acreditou e espalhou o mito, e muitos juram de pé juntos que tem que ser assim mesmo.... pobres espiritos metidos a humildes. Qualquer drink tem que ser feito com destilado de qualidade razoavel se você não quiser sentir aquele clássico gosto de fluído de isqueiro.

    ResponderExcluir
  5. Existe a cachaça e a caninha, ambas são o produto obtido pela destilação do mosto de cana de açúcar fermentado. A caninha pode ser considerada a cachaça que não tem qualquer tipo de envelhecimento ou mistura, ela é a aguardente adoçada de cana de açúcar.
    Desse modo, entendo que o jargão "Caipirinha se faz com pinga ruim" se refere ao ato de usar caninha ao invés da cachaça envelhecida, uma vez que a o sabor da caipirinha se tona mais adocicado com o uso da aguardente de cana adoçada (caninha), que como a cachaça, não precisa ser de qualidade ruim.
    Afinal, acredito que a cachaça não tem tanto a ver com sofisticação ou luxo, mas com a tradição de pessoas de gostos simples, acostumados com o consumo de produtos oriundos do meio rural, e que só ultimamente teve seu incremento na industria, e acho que esse é o motivo (financeiro) de tanta força na tentativa de fazer a cachaça se parecer com um tipo de prima bela do whiskey.

    ResponderExcluir